Como usar a andragogia a favor dos seus projetos

Quando a gente era criança tinha o dever de estudar, meu pai sempre me dizia: -“sua única obrigação é estudar, faça direito!”. Vez ou outra rolava um castigo porque não tinha feito a lição de casa ou ganhava alguma recompensa quando ia bem na prova, um passeio, um chocolate… Mas quando a gente cresce a coisa já não funciona assim, não é mesmo?

Você não vai encontrar um chefe que te diga: – faz esse curso aqui de Compliance direitinho e eu te dou um dia de folga… ou – você tirou nota baixa na prova de Gestão do Tempo, está de castigo! Uma hora extra por dia!

Quando falamos de aprendizagem para adultos, temos de pensar no que faz com que os adultos queiram aprender, quais suas motivações e interesses. E, como DIs, precisamos equilibrar interesses diferentes: os desse aluno, que busca uma promoção, um aumento de salário e, do outro, a empresa, que quer resultados para o seu negócio.

No post de hoje vou me concentrar nos interesses desse funcionário, vamos falar sobre Andragogia?! Esse termo Andragogia foi usado pela primeira vez em 1980 por Malcom Knowles para se referir à teoria de aprendizagem para adultos.

Características da Andragogia

Autonomia

O aluno precisa entender por que está aprendendo aquilo e ser capaz de se auto-dirigir, em especial no caso do ensino on-line. Nada de ficar na dependência do que o instrutor vai falar, por isso a flipped classroom funciona tão bem para esse público.

Experiência anterior

Tem que considerar que, diferente de uma criança, o adulto já tem sua bagagem, por isso sua estratégia de aprendizagem precisa:

– promover aplicação de suas experiências anteriores

– permitir reflexão ao agregar novos conhecimentos

Disposição para aprender

O curso precisa ser interessante do ponto de vista do aluno, promover engajamento, ser relevante e causar impacto na vida do aluno.

Aprendizagem centrada no problema

A proposta do curso deve ser contextualizada de acordo com perfil do aluno, com suas atividades e com os problemas que enfrenta no dia a dia.

E na prática, isso quer dizer o que?

  1. conte ao aluno por que ele está fazendo esse curso, quais benefícios ele terá, onde poderá aplicar etc
  2. enfatize o conhecimento prático
  3. ofereça curadoria de conteúdo
  4. facilite o compartilhamento de experiências
  5. desafie o aluno
  6. porcione a informação
  7. não dê spoiler
  8. mostre a relevância do curso para os objetivos pessoais e de carreira do aluno
  9. traga emoção
  10. sempre que possível, envolva o aluno na construção do curso, escute-o, peça feedback

Evite

… se aprofundar em fatos históricos e teorias desnecessárias

… entregar conteúdo que deve ser decorado

… expressões como “você já deve saber”

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *